Mobilização Articular

Descrição

A mobilização articular baseia-se nos “movimentos passivos” principalmente nas articulações sinoviais, seus movimentos envolvem o giro, rolamento, tração, compressão e deslizamento entre as superfícies articulares que promove a congruência articular, diminui o atrito mecânico na articulação melhorando a dor, edema e função do segmento comprometido.

Mobilização Articular

Este recurso terapêutico segue a regra do côncavo e convexo, onde a superfície convexa móvel desliza-se no sentido oposto ao movimento, ao passo que na superfície côncava dinâmica sobre uma superfície convexa estática os movimentos ocorrem em “ambos os lados”. E na ocorrência de distúrbios (subluxação) a superfície côncava estática sobre uma convexa se movimentando, o rolamento ocorre no sentido do bloqueio articular, deslizando do lado oposto. Já na convexa estática com uma côncava se movimentando, tanto o deslizamento como o rolamento ocorre do mesmo lado do bloqueio articular.

Os graus I e II da mobilização correspondem à aplicação de movimentos oscilatórios, com ritmo lento no início da amplitude do movimento, livre da resistência oferecida pelos tecidos e são indicados nos casos de processos dolorosos articulares. Já a carga imposta nos grau III e IV promove a adaptação visco elástica diante de restrições de movimento.

Além da regra do côncavo e convexo a mobilização articular tem seus efeitos em função da biomecânica da cartilagem. A cartilagem articular não apresenta vasos sanguíneos, linfáticos nem seguimento nervoso, é um tecido conjuntivo repleto de matriz extracelular contendo fibras colágenas, proteoglicanas, água, sais inorgânicos, glicoproteínas e lipídios. E a proteoglicana é um componente bastante interessante, formada por um núcleo proteico central possui glicosaminoglicanas sulfatadas ligadas a esse núcleo (a proteoglicana é fortemente hidrofílica com cargas negativas sendo osmoticamente ativa sugando grandes quantidades de água, é semelhante a uma espoja com grande capacidade de absorção).

É por isso que a disposição do colágeno associadas às proteoglicanas tem uma contribuição biomecânica interessante na articulação sinovial. Quando não há carga, o fluído preenche a matriz penetrando através da cartilagem, diante de cargas a permeabilidade da cartilagem (através das proteoglicanas) possibilita uma resistência de absorção ao choque ou impacto, ao mesmo tempo, um enfraquecimento desta permeabilidade, já que os fluidos passam a sair para o espaço capsular assim como uma esponja pressionada libera fluidos de seu interior.

Indicações e Contraindicações

Indicações: hipomobilidade articular causada por processos degenerativos como traumas, microtraumas de repetição, imobilização, maus hábitos posturais, desuso, idade avançada, dor e espasmo muscular, algumas patologias com hipomobilidade articular progressiva.
Contraindicações: hipermobilidade, processos inflamatórios agudos na presença de dor intensa, fraturas não consolidadas, tecido conectivo recém-formado (processos cirúrgicos).

Fisioterapeuta Evandro Luiz.